Técnica atinge células cancerígenas, com risco mínimo aos tecidos sadios.Equipamento é acessível na rede pública paulista por meio do Icesp.

 

Um aparelho disponível no Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp) é o primeiro a ser adotado por um hospital público do país para tratar câncer por meio de uma técnica conhecida como radiocirurgia. O procedimento dispensa a necessidade de cortes no corpo do paciente.

Com o equipamento, uma grande dose de radiação é usada em pontos específicos do corpo para matar as células cancerígenas. Segundo a Secretaria de Saúde paulista, a chance de danos a tecidos sadios é mínima.

A operação é recomendada para pessoas que tenham câncer, mas não podem passar por cirurgias convencionais. É indicado tanto para combater tumores primários ou mesmo metástases no pulmão e na coluna vertebral – desde que isoladas e com no máximo 5 centímetros de diâmetro.

A radiocirurgia pode durar cerca de uma hora e permite a liberação imediata do paciente. São necessárias até cinco sessões durante todo o tratamento. Já na radioterapia tradicional, o número de sessões pode chegar a 30.

Antes do tratamento, a localização exata do tumor é conhecida por imagens coletadas por uma equipe de médicos e físicos. A precisão do aparelho permite que o tumor seja destruído mesmo após pequenas movimentações provocadas pela respiração. Os disparos de radiação mudam quando o equipamento detecta um tecido saudável, o que reduz o risco de danos a regiões sadias no corpo do paciente.

Segundo o diretor-geral do Icesp, o oncologista Paulo Hoff, a técnica é importante por estar disponível no Sistema Único de Saúde (SUS) e ser um tratamento de ponta, mesmo que indicado a apenas alguns pacientes.

 Fonte: G1

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.