O Conselho Federal de Medicina (CFM) encaminhou nesta quinta-feira (23) um ofício ao ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, pedindo que os médicos brasileiros sejam incluídos na ordem de priorização da aplicação das vacinas de reforço contra a covid-19. Com este pleito, o CFM chama a atenção para uma questão estruturante no enfrentamento da pandemia, cuja solução fortalecerá os esforços para oferecer diagnósticos e cuidados para todos os brasileiros.

“O reforço na vacinação da população médica fortalece a força de trabalho necessária para assumir os postos na linha de frente do atendimento da covid-19, quando for necessário. Além disso, reduz as chances de adoecimento desses profissionais por conta dessa doença, o que permite o melhor funcionamento dos serviços de saúde que atendem pacientes com outros transtornos”, pondera o presidente da autarquia, Mauro Ribeiro.

O pedido surge após o anúncio da expansão do Plano de Vacinação contra a covid-19, com possibilidade de início imediato da aplicação da dose de reforço da imunização para idosos e imunossuprimidos. Segundo o CFM, ao minimizar a letalidade e o adoecimento dos médicos, de uma forma em geral, “o reforço na vacinação desses profissionais fortalece ainda o sistema de contenção do coronavírus, evitando a rotatividade, o que contribui para manutenção dos serviços de saúde”.

Independentemente do local de atuação – hospitais, clínicas, ambulatórios, laboratórios e outros locais –, o CFM defende que todos os médicos registrados nos CRMs sejam contemplados, pois atendem a milhões de brasileiros adoecidos pela covid-19 ou portadores assintomáticos da doença, “sendo imprescindível que estejam devidamente amparados no plano de priorização”.

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.