Para Jarbas Barbosa, do Ministério da Saúde, vírus reforça necessidade de combate a criadouros e organização da saúde
     
     
     A disseminação do vírus da dengue tipo 4 no País é previsível, afirmou o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa.
     
     “Não há dúvida de que a circulação vai ocorrer. A presença do novo vírus deve funcionar apenas como mais um argumento para reforçar o que tem de ser feito: combate aos criadouros e organizar o sistema de saúde para atendimento rápido dos pacientes.”
     
     Para Barbosa, a preocupação reside no fato de haver circulação de vírus com grande quantidade de pessoas suscetíveis.
     
     “E isso vale para qualquer tipo, seja 1, 2, 3 ou 4.” A virologista Rita Nogueira, chefe do Laboratório de Flavivírus do Instituto Oswaldo Cruz, confirma que o vírus não é mais agressivo que os demais, mas ressalta que infecções sequenciais por diferentes vírus podem levar a casos mais graves.
     
     Na terça-feira, o governo do Rio informou o registro de dois casos de dengue tipo 4 em Niterói. Foram as primeiras notificações no Sudeste.
     
     Nesta semana também foi divulgado o aparecimento da dengue tipo 4 na Bahia e no Piauí. Há ainda registros em Roraima, Amazonas e Pará. Fazia 28 anos que esse subtipo não era observado no País.
     
     Fonte: O Estado de São Paulo

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.