Vitor Abdala Rio de Janeiro – A pandemia de influenza A (H1N1) – gripe suína serviu como “lição para mostrar a fragilidade do mundo” no que se refere ao controle de epidemias e ao estoque de vacinas. A afirmação é do especialista em virologia Alexandre Machado, do Centro de Pesquisas René Rachou, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que pesquisa o desenvolvimento de vacinas contra influenza e outras doenças. Há cinco anos, Alexandre Machado e um grupo de pesquisadores do Centro René Rachou vêm estudando uma forma de produzir vacinas bivalentes para a influenza (ou seja, que imunizam contra a gripe e uma segunda doença com uma única dose), usando uma técnica conhecida como genética reversa. Segundo essa técnica, já usada por alguns laboratórios estrangeiros, os segmentos genéticos do vírus são isolados e colocados dentro da célula de uma bactéria, que será usada para imunizar a pessoa. A nova técnica difere da tradicional, que consiste na inoculação do vírus dentro de um ovo de galinha para produzir uma dose da vacina. Com a técnica de genética reversa, explica Machado, o número de doses de vacina não ficará mais restrito à disponibilidade de unidades de ovos de galinha e isso pode ampliar a capacidade de produção de doses. “O que a gente espera é que, futuramente, quando houver outra pandemia, a gente consiga produzir uma vacina nacional e não fique tão dependente de tecnologia estrangeira. Mas também esperamos poder contribuir com qualquer instituição pública ou privada que tenha interesse em produzir a vacina”, disse Machado. Segundo o pesquisador, por enquanto a pesquisa está sendo feita com camundongos e envolve um vírus Influenza que afeta apenas esses animais. Dentro de dois anos, ele espera que os estudos avancem a tal ponto que já seja possível trabalhar com os vírus Influenza que atingem humanos, como o Influenza H1N1, causador da gripe suína. Alexandre Machado prevê que serão necessários pelo menos três anos para que seja desenvolvida uma vacina brasileira, a partir dessa nova técnica. Para ele, é preciso, no entanto, continuar os estudos, mesmo que seja para uma época futura. “Para você ver, o problema [da influenza A (H1N1) – gripe suína] começou em abril. Mas, mesmo em países como os Estados Unidos ou a França, onde já se tem a técnica de genética reversa implantada, só em setembro eles terão os primeiros lotes da vacina. E já estão anos-luz à frente. No nosso caso, a gente está nos primeiros passos na caminhada de mil milhas, mas nós estamos caminhando”, disse (fonte: Agência Brasil – 12.08.09)

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.