A iminente epidemia de dengue, anunciada pelo ministro da Saúde José Gomes Temporão, toma nova proporção agora com a proximidade do sorotipo IV, que ronda o continente. Em Dourados, com 21 novas notificações entre setembro e outubro deste ano, a Saúde vai apelar ao Ministério Público para abrir imóveis abandonados ou fechados. Só no centro da cidade, entre os 4.754 pontos comerciais e residenciais cadastrados junto à prefeitura, 19%, mais de 900, estão em situação de pendência. Ficaram sem vistoria durante o mês passado os prédios para aluguel e venda sem imobiliárias e portanto sem acesso as chaves, ou pela recusa do proprietário em atender os agentes o que, segundo a superintendente de Vigilância em Saúde, Sílvia Bosso, pode acabar em denúncia ao MP. A coordenadora do Centro de Controle de Zoonoses, bióloga Magda Fernandes, lembra que a Lei Municipal contra a dengue está valendo e os fiscais vão “pegar pesado”. O proprietário de imóvel sujo pode arcar com multas que variam de R$ 100 a R$ 800. Reincidente paga dobrado e o comerciante que não se adequar corre o risco de sofrer penalidades, como a interdição do estabelecimento. O Mato Grosso do Sul lidera o ranking da dengue, com mais de 72 mil casos este ano. Segundo a coordenadora de Vigilância Epidemiológica, Antônia Delvalle Morinigo, entre janeiro e agosto deste ano Dourados registrou 4.022 laudos positivos e duas mortes. Um terceiro óbito foi decorrente de complicações por diabetes. O quarto foi um paciente que residia em Laguna. Agravantes Temporão advertiu ontem à Agência Estado que “a entrada do sorotipo 4 no país é uma questão de tempo”. “A dengue tipo 4 vai chegar… Hoje, com o encurtamento das distâncias, com as viagens de avião, comércio internacional e o turismo, é praticamente impossível evitar que uma pessoa com o vírus 4 entre no Brasil”, pondera. Isto pode significar subsequentes ondas epidêmicas, por conta do sorotipo 3, que continua em circulação, e do novo vírus detectado em países vizinhos. “O paciente que já contraiu a doença fica imunizado para sempre, mas apenas contra o tipo a que foi acometido. Para se criar uma imunidade de grupo, vai levar quase uma década de epidemias”, alerta Magda. Aedes Albopictus Para piorar, no Nordeste do Brasil a Vigilância detectou um outro tipo de mosquito, o Aedes Albopictus (Asian tiger mosquito), que pode estar transmitindo a dengue. A população do inseto semelhante ao Aedes aegypti multiplica-se na metade dos bairros de Recife. A Universidade Federal do Ceará pesquisa se o albopictus também é vetor da doença que já acometeu mais de 480 mil pessoas e matou cerca de 120 em vários Estados do Brasil. Fonte: Midiamax News

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.