Aline dos Santos O MPE (Ministério Público Estadual) aponta que a revisão dos contratos terceirizados para prestação de serviços em saúde é o ponto fundamental para a reestruturação do maior hospital público do Estado. “Terceirizar o objeto do seu negócio não existe. Você terceiriza serviços de apoio, como limpeza, jardinagem. É como ter uma padaria e terceirizar a fabricação de pão”, compara o procurador Mauri Valentim Ricciotti. Sob intervenção há quatro anos, a Santa Casa aguarda decisão judicial sobre a revalidação do processo. “A Santa Casa precisa voltar a dar lucro. Um hospital desse porte precisa atender pelo SUS, para ter direito a isenções tributárias, e atender a planos particulares. Com um caixa único todos ganharão”, enfatiza Ricciotti. Para dar fim aos contratos terceirizados, o MP busca mudanças no núcleo da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) contratado para implantar gestão profissional e troca dos integrantes da junta interventora. O procurador relata que participou de reunião com a direção da Unifesp, que se comprometeu a fazer a mudança. Para o procurador, a gestão profissional “deixou a desejar”. Por mês, a Santa Casa paga R$ 150 mil à empresa de gestão hospitalar. Unânime – Já a proposta para que o diretor-executivo da Secretaria Municipal de Saúde, Salim Chead, e o ex-reitor da Uniderp, Pedro Chaves, substituam o atual presidente, Rubens Trombini, e o diretor administrativo Natalício de Almeida, surgiu em meados do ano passado. A alteração ainda será avaliada pela justiça. De acordo com Mauri Ricciotti, o ex-reitor tem liderança e experiência em administração. “Ele teve uma experiência êxitosa. Isso é unanimidade”, avalia. Sobre o motivo da atual junta interventora não ter revisto os contratos terceirizados, o procurador avalia que houve excesso de problemas. “Eram tanto os problemas que precisavam vencer no dia-a-dia”. (fonte: jornal online Campo Grande News – 19.02.09)

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.